sábado, 23 de novembro de 2013

Confie. Confie em Deus!

Por vezes medito em tantas coisas que me perco nos pensamentos. Porém tenho de agradecer a Deus. Estou escrevendo um livro e no mesmo, narro situações que ocorreram no passado que ao lembrar, tenho de agradecer a Deus. Se perdi? Sim. E agradecer mesmo assim? Meus caros! Perdi para ganhar - livramento, bênçãos, um aprendizado ímpar e uma extensa história para contar.

Poderia ter sido diferente, mas a substância não seria a mesma. Choramos pela perda, pelas situações díspares e estressantes que nos ocorrem, pelo desemprego, pela tristeza, pela desconfiança em tudo e em todos, as drogas, os conflitos urbanos e internacionais. Pelas perspectivas de curto prazo, que não podem ser realizadas de imediato, pela ansiedade. Porém somente tenho uma coisa a dizer a você - confie. 

E confiar está cada vez mais difícil, mas vou tentar te ajudar. 

O homem busca uma tipóia emocional sempre que as coisas vão mal, porém não reflete que tal como as pessoas o ouvem nos momentos de angústia, com a mesma facilidade saem falando das confidências aflitas e carregadas de desespero. As pessoas rasgam o coração para conversar com o psicólogo, com a colega de trabalho, com um transeunte desconhecido, mas são incapazes de conversar com Deus, pois não formalizam a fé para um plano concreto, relegando-o como um ente abstrato. Então confiam nas coisas mais inconfiáveis - e vos citarei algumas em que vocês jamais devem confiar.

Não confiem nos jornais mentirosos, que falsificam afim de obter vantagens para empresas, serviços e produtos; no Ibope, nas estatísticas sem entrevistados, nas ilusões, nas passarelas cheias de gente e de igual desânimo, na política, nos vizinhos traiçoeiros, na perspectiva de vida sem endereço. Tais coisas são passageiras, devem ser anuladas de nossas preocupações por não pertencerem a nossas necessidades amplas. Devemos confiar; porém tantas ilusões nos tornam amargos! Nos empurram para a descrença, falta de fé. Será que confiamos no certo? Por vezes pensamos ser melhor abandonar tudo e correr para um ponto sem direção, como Forrest Gump no filme, quando corre sem direção, sentido, motivo ou endereço. Corre apenas porque deseja correr, e assim foge do mundo, da loucura. E quantos desejam fugir, correr logo após! Em dado momento, súbita parada, não se sabe o motivo - e logo tudo se perde.

Confiar exige que façamos como o filho de um colega meu, que na igreja lançava o filho para o alto, e o mesmo caía em seus braços sorrindo. Quando nos amarramos nas cordas de uma segurança que em vez de ser a nossa liberdade nos prende, amarra em pensamentos ruins, em motivações idem, em perspectivas passadas, é como a âncora que prende o navio no leito de um extenso mar de possibilidades. O mar é uma riqueza inestimável. É como a vida. Porém ali há histórias de naufrágios, de perdas. De desaparecimentos, de mortes. O mar pode ser comparado com nossa trajetória, esconde histórias, momentos e pores-do-sol. Mas narra tempestades, ventos intensos. Na vida tais coisas ocorrem - e devemos confiar. 

Mas em que, no que e por quê?

Confiar em Deus. Confiar no Deus que tudo pode, pois como está descrito em sua palavra - "sem mim nada podeis fazer" Jo. 15:5; de forma que devemos ater-nos ao que a palavra de Deus diz. Todas as coisas ocorrem para que venhamos a evoluir, subir um nível diferente, sermos melhores - em humildade, submissão a Deus. Em sermos felizes com o que temos. Confiar em Deus exige além da fé, uma direção ao incrível, na certeza que grandes coisas somente podem ocorrer em quem crê num grande Deus!

Cada um pode basear sua fé em alguma experiência. Então este que vos escreve, já tem tantas... e cada dia entendo que a frase na nota do dólar é o máximo - "In God we trust" (em Deus nós confiamos) e na crença de um grande Deus, se estabeleceu a nação n. 1 do mundo, os EUA. Porém bastou deixarem de confiar em Deus e vejam a situação do país que chegou a liderar em nível mundial...

Confiar em Deus é colocar a venda nos olhos e caminhar pelo deserto, enxergando além das situações que se apresentam. É observar a perspectiva da fé, do inexistente - e por este motivo aceitar a vida que Deus nos proporciona com apenas uma certeza - a vida de fé é irreal - como o abrir do mar vermelho, o andar por cima do mar, a queda de muros por fortes gritos, um menino derrubar um gigante, um cego enxergar após limpar os olhos sujos de saliva com barro. É irreal por uma ótica humana lógica e simplista, porém somente os loucos podem enxergar além do que os olhos podem ver.

"Visto como na sabedoria de Deus o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação. 1 Coríntios 1:21"

Deus te abençoe!


                                                                                                       Roque de Souza Braga