Mostrando postagens com marcador preso no pecado. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador preso no pecado. Mostrar todas as postagens

domingo, 27 de janeiro de 2013

Vida em Cristo é viver sem alienação.

Este texto é longo, porém mudará a sua vida. 

O homem estava preso nas garras do pecado e da morte. Deus viu que o homem não poderia salvar-se, pois os meios que buscava para se aproximar dele, eram ineficientes. Então Deus enviou seu único filho afim de salvar a humanidade - e esta é a parte mais importante.

Por que Jesus veio morrer por uma humanidade? Poderia apenas ter dado uma ordem. Porém o método usado era o mais ambicioso possível. Não era apenas o de entregar o filho de Deus para sofrer "gratuitamente", nem criar uma história cinematográfica, tendo a cruz como motivo. O projeto de Deus era o de mostrar a morte que ela perdeu a batalha!

Quando se luta contra um oponente e este desfere um golpe, a morte pode ser o fim. A morte - como condutora do homem para a eternidade, veio como um castigo pela desobediência do homem ás leis de Deus. O homem nasceu para ser eterno, de forma que o homem jamais conseguiu conviver bem com o fato de um dia ter de se despedir de sua existência terrena, buscando o elixir da eternidade - por pesquisas, trabalhos com a genética entre outros métodos sofisticados, nos quais os próprios mentores afirmam "brincar de Deus". Porém o homem continua morrendo. Em aspectos gerais, a qualidade de vida melhorou. Parece que foi a lua. Consegue lançar um avião que rompe a barreira do som. Porém não conseguiu vencer a trama do que virá quando passar os portais rumo ao além-vida, porque lhe falta a certeza da salvação - que somente Jesus Cristo pode proporcionar.

De onde vem esta certeza, a da salvação em Cristo?

Devemos antes compreender que a remissão do homem é m ato de amor do Deus todo-poderoso, afim de retirar o homem da alienação. Esta condição ilustra bem a situação do homem sem Deus. Quando o homem está em pecado, está alienado junto ao Diabo. Esta condição não é negociável pelos bons atos que o indivíduo pode fazer ou o quão bom pai de família é, se deixa de mentir ou não. Tais coisas são louváveis, porém o homem está sob domínio de seu opressor - e portanto, sem chance de desfrutar da vida eterna. Corre grande perigo. O homem não sabe o risco que corre estando longe dos braços de Jesus - o que pode salvá-lo definitivamente, pois detém o valor total da dívida que o homem possui junto ao seu inimigo espiritual.

Perguntei tempos a fio o porquê do homem estar aparentemente á mercê do mal e o porquê de Deus deixar que ele sofra, e se não havia um show universal em que figurávamos como atores num plano espiritual no qual o homem era posto a sofrer por deliberação divina. Tais pensamentos caíram por terra quando Deus mostrou a mim que ao entregar-se na cruz, morreu afim de mostrar a humanidade que a morte não o poderia deter. Sendo assim, a venceu, ressuscitando e retirando o homem da alienação da morte espiritual, desde que o aceite como seu único - e suficiente - salvador de sua alma. E pensar que para nós, o sentido dos acontecimentos é simplesmente estranho. Não concebemos facilmente a ideia de um Deus que tenha morrido afim de salvar a humanidade. Este é o ponto vital - não há religião alguma que tenha concebido o sacrifício do Deus que se presta culto ao seu discípulo, como forma de amor e abnegação em favor da humanidade, exceto o próprio Jesus. Ele é a verdadeira religião. Seu amor transcende o entendimento, e sua forma de agir, infinitamente maior que os pensamentos podem alcançar.

Sim, Jesus te ama! Por este motivo que retirou das mãos da morte a detenção do domínio de sua vida. Ao morrer, o homem estava sob o domínio da morte, por conta do pecado. O pecado legitimou a administração da morte de forma plena sobre a vida do homem. Por este motivo, como homem que era, Jesus morreu, afim de nesta condição vencer a morte e na maior ironia universal, envergonhar a morte. Um homem ressuscitou entre os mortos. E este é Cristo.

Pense agora que algum inimigo seu pensou tê-lo vencido, e relaxou. Momentos depois há uma reviravolta e seu inimigo, totalmente ausente de reação, tem de ceder mediante uma força que você não tinha, mas foi legitimada por um ato seu! Assim Cristo venceu a morte, pelo preço de seu sangue, mostrando que para Deus nada é impossível.

Jesus te ama e pelo seu sangue comprou sua liberdade, livrando-o da alienação. Que tal entregar sua vida a Ele hoje? Não há opção. Ou você entrega sua vida a Cristo ou estará sob a alienação, o domínio de Satanás. É isso que você quer? Deus tem a verdadeira liberdade, tem a vida e a salvação para todos os que nele creem e por isto podem ser chamados filhos de Deus por adoção. Quem não aceita a Jesus, infelizmente está sob alienação do pecado e como este é a única coisa que separa o homem de Deus, não podemos mentir ao afirmar que todos os homens são filhos de Deus. O são somente os que o obedecem e o temem.

Há uma condição - a entrega de sua vida a Jesus, como Ele incondicionalmente entregou a sua. Somente isto. Significa abrir mão da vida de sua autonomia e entregá-la a Jesus, para que administre sua vida. Você sentirá a diferença. Verá que tudo flui para um sentido que você não conhece, porém fornece tranquilidade. Jesus é o tudo na vida do homem, e quer neste dia legitimar sua liberdade. Só depende de você!


Quer aceitar a Jesus? Se sim, oremos:

              "Senhor amado, entrego a ti a minha vida. Reconheço que preciso do seu amor e do seu
               perdão. Reconheço que sem ti estou preso ao pecado, porém hoje rendo minha vida a
               ti; perdoa os meus pecados, purifica a minha alma e escreve meu nome no livro da vida.
               Hoje te aceito como meu único e suficiente Salvador de minha vida. Em nome de Jesus. 
               Amém!"




Se não aceitou ainda, salve este texto em seu computador. Leia-o mais vezes. Acesse este blog. Tenho certeza que Jesus falará ao seu coração em outras oportunidades. Porém não deixe que a morte ganhe tempo. Renda-se a Jesus e obterá a liberdade!


                                                                                                                     Dc. Roque de Souza Braga